<$BlogRSDUrl$>

11/05/2004

continuando 

continuando

14/07/2003

pedimos desculpa por esta interrupção

28/06/2003

ANGOLA/ O SUCESSOR DE SAVIMBI
27 Jun 2003 17:50:57 GMT
Despachos:
NEWSMAKER-Pastor's son takes over Angola's UNITA

By Zoe Eisenstein

LUANDA, June 27 (Reuters) - Isaias Samakuva, the newly elected president of Angola's UNITA movement is the son of a pastor who will need a miracle to guide the former rebel group to political success in a country it helped lay to waste.

Samakuva, 56, was UNITA's Paris representative for four years before he returned to Angola last October in the hope of succeeding charismatic founding president Jonas Savimbi, who died in a hail of bullets last year.

A towering bust of Savimbi glowered down on some 1,250 delegates as they cast their ballots on Friday in a huge make-shift convention centre about 20 km (12 miles) east of the capital Luanda.

Samakuva, a rare English and French speaker from the former Portuguese colony, won by a landslide. He was widely seen as the favourite of Western diplomats in the oil and diamond rich southwest African country.

POLISHED OPERATOR

A polished operator accustomed to the global diplomatic circuit, Samakuva's campaign has featured such 21st century touches as daily email updates to local journalists.

Close aides said his election gave credibility to UNITA's plan to transform itself from a rebel army into a political party that could oppose the ruling MPLA led by Jose Eduardo dos Santos in elections that may be held as early as next year.

Samakuva has said he will prioritise education, health and the promotion of agriculture in a tropical country blessed with a fertile soil and crop-friendly climate, but where farming is made dangerous by millions of buried landmines.

Between 1994 and 1998, Samakuva headed UNITA's delegation at the Lusaka Protocol's joint commission set up in 1994 to try to end the civil war that had been raging almost non-stop since Angola's independence from Portugal in 1975.

He was UNITA's treasurer in London between 1989 and 1993.

But Samakuva also has "bush credentials" -- an important factor in a country only now emerging from decades of warfare.

He was appointed UNITA's chief of logistics in 1985 in Likuwa in the southeast of the country and in the same year was transferred to UNITA's Jamba headquarters where he became the chief of Savimbi's cabinet until leaving the country in 1989.

Savimbi's combat death in February last year triggered talks which led to a ceasefire, ending a civil war between the MPLA government and UNITA which killed around a million people in a country of just 13 million.

To make UNITA into a democratic political force will take some doing.

The group began in the 1960s as a liberation movement fighting to throw off the yoke of Portuguese colonialism. It took up arms in 1975 against the country's Marxist government, which remains in power, having discarded its socialist baggage.

UNITA became a U.S. Cold War ally, receiving support from Washington and white-ruled South Africa.

But with the end of the Cold War, the MPLA abandoned Marxism and became a major supplier of oil to the United States -- which dumped Savimbi and left UNITA to wage its lonely campaign by selling illicit diamonds in contravention of U.N. sanctions.






27 Jun 2003 20:13:16 GMT
Isaias Samakuva wins UNITA leadership race


By Zoe Eisenstein

VIANA, Angola, June 27 (Reuters) - Angola's former rebel movement UNITA chose its former European envoy Isaias Samakuva as leader on Friday more than a year after government troops killed founder Jonas Savimbi in combat.

Samakuva's landslide victory at a party congress caps UNITA's transition to a political party from a rag-tag rebel army at war. After almost three decades of guerrilla war with the government, the movement-turned-political party is expected to contest elections as early as next year.

"We are all happy, myself, my colleagues, UNITA -- and I believe all those that are friends of democracy," Samakuva told reporters and said his objective was to keep the party together.

The 56-year old son of a pastor was UNITA's Paris representative for four years before he returned to Angola last October. He was UNITA's treasurer in London from 1989 to 1993.

A rare English and French speaker in a former Portuguese colony, he was widely seen as the favourite of Western diplomats in the oil and diamond rich southwest African country.

But he also has "bush credentials" -- an important asset in a country only now emerging from decades of warfare -- having served as UNITA's logistics chief and as head of Savimbi's cabinet before leaving the country in 1989.

VOTE SEEN TRANSPARENT

Justino Pinto de Andrade, the head of the electoral commission supervising Friday's election, said Samakuva won 1,067 votes, or 78 percent of the votes, against about 20 percent for the other major candidate Lukamba Paulo.

Paulo, known as "Gato" or "Cat", is a longtime UNITA official who spent years in the bush at Savimbi's side and served as the group's interim leader but proved unable to match Samakuva's cosmopolitan sparkle.

He struck a defiant note, while conceding defeat.

"I think Mr. Samakuva was the best this time -- I will prepare the next match," Paulo told reporters and dismissed speculation he would work under his rival.

"For the moment we have to work together for the unity and the cohesion of the party -- (but) I don't think I will accept any executive position," he said.

The balloting, which took place in a suburban convention hall beneath a glowering, larger-than-life bust of Savimbi, was a testament to the democratisation of UNITA.

Delegates went into private voting booths to cast their votes, which were then placed in see-through plastic ballot boxes in front of an electoral commission led by Pinto de Andrade, a well-known academic associated with the ruling MPLA.

Vote counters then carefully examined each ballot and showed it to electoral officials and visiting observers, including several foreign ambassadors.

"It's quite transparent, it's quite encouraging. I think it's good for democracy. It's also good for Angola and Africa as well," South African ambassador Tony Msimang told Reuters.

Diplomats and analysts have welcomed UNITA's decision to hold a leadership election as a major step forward.

"I think it is an important experiment in democracy, not just for UNITA, which is trying to establish a new way of doing business, but also it is sort of a milestone in the development of the democratic process in Angola," U.S. ambassador Christopher Dell told Reuters.
ANGOLA/ UNITA
Há que ler o "Expresso", para se poder ter uma ideia mais exacta do que é (e do que foi )a UNITA de Savimbi.

" Os horrores da Jamba


Isabel Oliveira


Pela primeira vez na sua história, a União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA) organizou um congresso fora das matas outrora controladas pelos seus guerrilheiros. Para escolher o sucessor de Jonas Savimbi, o movimento do Galo Negro optou pelo voto secreto, facto inédito, quer na organização, quer na vida partidária angolana. Mas o que milhares de famílias destroçadas querem saber é se será posto um ponto final ao regime de terror a que foram submetidas durante a liderança de Savimbi.

Há demasiado sangue derramado no percurso do fundador e ex-presidente da UNITA. E não são para aqui chamados os inimigos declarados, os militantes do MPLA. Falamos é dos seus próprios companheiros de décadas de guerrilha, muitos dos quais ocupando lugares de destaque na hierarquia do movimento, que não escaparam ao despotismo com requintes de malvadez e ao clima de suspeição, intriga e vingança que foi minando aos poucos o partido e acabaria por ditar o fim trágico de Savimbi, a 22 de Fevereiro de 2002.

A pretexto de alegadas traições, famílias inteiras foram dizimadas, como os Chingunji (Dinho Chingunji, um dos candidatos à liderança da UNITA, é um dos poucos sobreviventes do massacre que ocorreu em 1990), outros foram perseguidos e torturados até à morte, como o general Sapalalo «Bock», muitas mulheres foram queimadas vivas nas fogueiras apenas porque se tinham recusado «servir os soldados» (leia-se, prostituir-se) e nem os seus maridos e filhos foram poupados à fúria sanguinária de Savimbi. Prisões domiciliárias ou efectivas - muitas vezes em subterrâneos insalubres - e violações eram o pão nosso de cada dia dos que viviam nos territórios dominados pela organização do Galo Negro.


Anabela e Alice Sapalalo, militantes da organização desde muito jovens, actualmente a viver em Portugal, não pedem muito: querem saber onde estão os restos mortais do seu irmão, o general Altino Bango Sapalalo «Bock» - chefe de Estado Maior das Forças Armadas de Libertação de Angola (FALA), braço armado da UNITA - para o poderem chorar em paz. Caído em desgraça junto dos eleitos de Savimbi em 1996, «Bock» foi vítima de «perseguições insustentáveis» durante quatro anos, após o que seria espancado até à morte e esquartejado.

Bela Malaquias, outra apoiante do movimento que sofreu na pele a prepotência do «negro mais negro de Angola» (como Savimbi gostava de se intitular), tem razões para desconfiar dos seguidores do falecido líder da UNITA. A jornalista da Rádio Voz do Galo Negro (Vorgan) foi raptada por elementos das FALA e sequestrada na Jamba por alegada conspiração durante o processo eleitoral de 1992. Mantida em cativeiro durante meses a fio, seria mais tarde libertada graças às pressões internacionais desencadeadas pelo Pen American Center. Outros familiares seus não tiveram igual sorte, e foram executados sumariamente a mando de Savimbi.

Até os mais encarniçados defensores da UNITA e do seu antigo líder reconhecem, agora, as suas tendências assassinas. Maria Antónia Palla, membro destacado do «lobby» português pró-UNITA e autora do livro Savimbi - Um Sonho Africano, editado na passagem do primeiro aniversário da morte do guerrilheiro angolano, admite que «há razões para crer em algumas das acusações de violência e de atropelo aos mais elementares direitos humanos que são atribuídos a Jonas Savimbi». A par dos muitos elogios tecidos ao líder africano, Palla escreve: «Existiria, certamente, um lado mais sombrio da Jamba a que não tivemos acesso. As leis da guerrilha são rigorosas. A tradição africana admite actos de violência que a nossa cultura condena. O respeito pelos direitos humanos dificilmente se concilia com uma sociedade concentracionária, gerida por um poder necessariamente forte».

A ARMA DA PROPAGANDA

Jaime Nogueira Pinto, autor do editorial do livro de propaganda da UNITA, Jamba, Capital da Liberdade, não teve dúvidas em afirmar que a Jamba não se limitava a ser um cenário propagandístico para ocidental ver: «Os que conhecemos a história de Savimbi e da UNITA acreditamos que não é cenário e compreendemos bem que esta seja a capital da liberdade em África». Após a morte de Savimbi, emendaria a mão, reconhecendo-o capaz de «uma disciplina de ferro, cujas consequências também caíram sobre inocentes».

O fundador do movimento do Galo Negro teve os seus momentos de glória. Enquanto intrépido guerrilheiro que conseguiu dominar uma parte considerável do território angolano, com o apoio de diversos países africanos (entre os quais a África do Sul do «apartheid»), da França e dos Estados Unidos da América, foi apelidado «freedom fighter» (combatente da liberdade) por Ronald Reagan e recebido por George Bush (pai), Jacques Chirac, Mário Soares e Nelson Mandela. Mas as eleições presidenciais de 1992, cujos resultados se recusou a aceitar, precipitaram a sua queda. Bill Clinton condenou a sua actuação e Savimbi transformou-se num ápice, aos olhos do mundo, no inimigo da paz em Angola e votado ao ostracismo. Maria Antónia Palla alega que «foi alvo de uma das mais gigantescas e ardilosas campanhas de intoxicação e calúnia de que há memória na História da África contemporânea». O tempo o dirá.

O PREÇO DA LIBERDADE

Três anos volvidos sobre a morte de Sapalalo «Bock», as suas irmãs Anabela e Alice ainda esperam por uma explicação oficial por parte do movimento do Galo Negro. Em 1979, então crianças, acompanharam os pais na longa travessia ao encontro da direcção do partido, nessa altura instalada no Cuando-Cubango. Anabela, que agora tem 33 anos, era uma criança quando chegou à Jamba, local onde foi construído o quartel-general do movimento. «Lembro-me de disputarmos o território com os elefantes e os leões. Nos últimos anos (ela veio para Portugal em 1989), já tinha ruas, avenidas - à sua maneira - electricidade, água canalizada em alguns locais, jardins de infância, escolas, hospitais». Além das actividades escolares, os mais novos eram integrados na Alvorada, uma organização destinada a sensibilizá-los para a causa da libertação do país. Aos 14, 15 anos passavam para a Juventude Unida da Resistência de Angola (JURA), com missões marcadamente políticas. Anabela Sapalalo deixou-se influenciar pelos dotes de oratória de Savimbi: «Era um líder incontestável. Conseguia galvanizar as massas, especialmente os menos cultos e os que não tinham experiência de viver em sociedades democráticas».

Como outros jovens, «que tinham merecido continuar os estudos», Anabela e Alice foram enviadas para Portugal: «Nos anos 80 e 90 Savimbi deu grande importância a este movimento de formação. Aproximavam-se as eleições presidenciais, sentia-se que a UNITA estava a crescer e era preciso preparar quadros para a hipótese de se chegar ao poder», explica Alice, actualmente com 38 anos. As irmãs Sapalalo deixaram a Jamba, mas mantiveram o contacto com os muitos familiares que por lá ficaram. À distância, acompanharam o longo calvário do general «Bock». As perseguições, contam-nos, começaram em 1996: «Entre Setembro e Novembro, o nosso irmão e toda a família foram colocados em prisão domiciliária. Nem as crianças foram poupadas». Razões? «Pura intriga», garantem.

EMBOSCADA A «BOCK»

Anabela, que viajou para Angola no final de 1997, não tem dúvidas quando afirma que a vida «se tornou insustentável» no Andulo e no Bailundo. Discutia-se se a UNITA devia voltar aos combates. «Bock», como grande parte da classe militar, não queria a guerra. «Vai ser o fim da UNITA, nós não temos capacidade militar para aguentar uma guerra convencional», alegavam eles, como testemunhou a irmã do general. «O nosso irmão afrontou Savimbi neste ponto particular. A resposta a esta dissidência foi um crime preparado meticulosamente a uma longa distância». Apresentam factos: sendo a guerra um dado adquirido, «Bock», na qualidade de chefe de Estado Maior das FALA, avança com as suas tropas. «Ele conseguiu ganhar o Bailundo, o general João de Matos (responsável máximo das forças militares governamentais) poderá confirmá-lo. Avança então para o Bié, entra naquele território e pede reforços. O apoio da retaguarda demorou 12 horas a chegar. Foi fatal». Anabela Sapalalo não tem papas na língua: «Alguém que está vivo em Luanda, com alta patente militar, preparou esta emboscada ao nosso irmão. Resultado: morreram mais de 300 homens, destruíram-se os poucos tanques inteligentes que a UNITA dispunha, e 'Bock' saiu do campo de batalha directamente para a prisão, acusado de traição. Foi imediatamente despromovido». A mesma mão que fez tardar os reforços ao Bié insinuaria junto de Savimbi que «Bock» deveria responder pela derrota: o plano maquiavélico seguia o seu caminho.

Curiosamente, o general parecia adivinhar o que o esperava. Um ano antes, no início de 1998, chegou a ter pronta a carta de demissão de chefe de Estado Maior, para entregar a Savimbi. Anabela leu-a quando se deslocou a Angola pela última vez. «Escreveu-a para se preservar e à nossa família, mas alguém o convenceu a destruí-la».

«Bock» esteve em prisão efectiva entre Fevereiro e Agosto de 1999. «Sabêmo-lo de fonte segura porque um nosso outro irmão o foi procurar ao Bailundo e não o encontrou. E depois de sair da cadeia, não podia receber quaisquer visitas». A sua morte deverá ter ocorrido em 25 de Abril de 2000, tinha então 45 anos. Elas souberam pouco depois. «A princípio, não acreditámos. Pensámos que era propaganda do MPLA. Sobretudo, custava a crer que depois de ter morto o Tito Chingunji e o Wilson dos Santos (em 1989/90), a UNITA voltasse a incorrer no mesmo erro», diz-nos Anabela. A esperança de que tudo não passasse de contra-informação ganhou consistência em Fevereiro de 2001, quando Savimbi deu uma entrevista à emissora radiofónica Voz da América: «Afirmou taxativamente que 'Bock' estava vivo. 'Ele me está a escutar, se quiser que me desminta', disse ainda». Em Outubro do mesmo ano, as Sapalalo receberiam uma mensagem de Savimbi a garantir que o irmão não tinha sido condenado à morte. «Eu tento defender 'Bock' lá onde eu posso, mas que nada fique garantido quando o inimigo investe», era o ambíguo recado proveniente de terras angolanas. «Os que conheciam as técnicas de Savimbi disseram-nos logo: 'Bock' está morto», lembram.

CHORAR OS MORTOS

Anabela e Alice só obtiveram a confirmação dois meses antes da morte de Savimbi, «quando um nosso outro irmão, que também esteve preso, conseguiu escapar e contar o que aconteceu». Elas não querem falar em nomes, mas afiançam que sabem «quem foram as pessoas que participaram no assassinato, os mentores, tudo». Alice espera que «estes dirigentes, quando se cruzarem com cada um dos 11 filhos que o nosso irmão deixou, se lembrem do que fizeram». E faz um pedido especial à classe dirigente da UNITA: «Digam-nos onde estão os restos mortais de 'Bock'. Qualquer africano gosta de chorar os seus mortos condignamente. É um direito que nos assiste».

O partido diz-lhes muito pouco: «Sobreviveram os seguidistas, os bajuladores, os que nunca ousaram questionar os métodos sanguinários do líder. Agora sabemos que a presença física de Savimbi cobria a incompetência e a incapacidade de muitos dirigentes que, se perderem o lugar na hierarquia, não sabem fazer mais nada». No seu apartamento modesto da Amadora fazem questão de frisar que, ao contrário de muitos dirigentes da UNITA, elas não ganharam nada com a guerra. Bem pelo contrário, perderam os pais, o irmão «Bock» e uma irmã que deixa quatro filhos. «Os angolanos não querem guerra: ela destrói, adia destinos, desvia trajectórias, desfaz certezas. O nosso maior desejo é que Angola se reencontre e que a sua alma se redima».

SENTENÇAS DE MORTE

Quando recebeu o convite para participar no congresso da UNITA, que lhe foi dirigido por Paulo Lukamba «Gato», Bela Malaquias nem queria acreditar. Aquilo era uma provocação: convidada para honrar a memória de Savimbi? Então Lukamba «Gato» não sabia o que representou o líder da organização para ela e para toda a família? Numa carta aberta ao candidato à liderança do partido, a que o EXPRESSO teve acesso, Bela refresca-lhe a memória. «Savimbi perseguiu-me durante 20 anos consecutivos entre desterros, prisões, assédios e todo o tipo de tortura psicológica», refere. Passa aos factos: «Savimbi colocou o meu pai, já de idade avançada, numa cadeia subterrânea durante meses, apenas por ter transmitido aos seus companheiros a notícia, em primeira mão, do atentado de que tinha sido alvo o então Presidente americano Ronald Reagan. Saiu de lá mais morto do que vivo». A lista dos seus parentes que o líder da UNITA terá mandado executar é extensa: Eduardo Jonatão Chingunji, Violeta Jamba, Tito Chingunji, mulher e filhos, Lena Chingunji, Wilson dos Santos, Dinho Chingunji e Ainda Henda, Alice Chingunji.

A mulher de Eugénio Manuvakola - antigo secretário-geral da UNITA que desertou da organização na sequência de todos estes acontecimentos, fundando em Luanda a UNITA-Renovada, à qual preside - aproveita o ensejo para relembrar também os macabros rituais de feitiçaria que se realizavam no mato, já denunciados pelo escritor Sousa Jamba. «Foi exactamente a 7 de Setembro de 1983. Arrepio-me e soltam-se-me teimosamente as lágrimas quando passa por mim o filme patético em que a personagem principal, Jonas Malheiro Savimbi, de olhar perverso, boina vermelha, lenço vermelho ao pescoço e pistola na mão, ao bom estilo de um 'gangster', comandava, pessoalmente, a horrenda operação de queimar pessoas vivas. Intenção: vergar as mulheres com formação, para que nenhuma ousasse dizer não aos seus caprichos selváticos».

Caso «Gato» tenha esquecido, a nossa interlocutora escreve na carta: «Sou aquela que vocês raptaram em Abril de 1992, aquela a quem o seu irmão Aniceto foi violentar em 13 de Fevereiro de 1995 e enviar, com os filhos, para um prolongado desterro». E, mais à frente: «Lembra-se daquela reunião em que Savimbi tinha ditado a minha sentença de morte? Tenho comigo as centenas de assinaturas de entidades e organizações internacionais que pressionaram Jonas Savimbi a preservar a minha vida», escreve, aconselhando o dirigente a não cair na tentação de «querer confundir os crimes cometidos friamente e com dolo, numa aldeia calma e distante da guerra, como era a Jamba, com os restantes».

Em jeito de conclusão, pergunta a «Gato»: «Não acha incongruente falar de pedidos de desculpas pelos erros cometidos e, paralelamente, exaltar a obra causadora de tantos danos ainda por reparar?» É que, ao contrário de Dinho Chingunji, que se tem mostrado muito crítico em relação ao falecido líder, Isaías Samakuva e Lukamba «Gato» (os dois candidatos com mais hipóteses de vencer o congresso) permanecem fiéis ao fundador da UNITA, insistindo mesmo em homenageá-lo durante a reunião cimeira.

Esta ausência de demarcação do percurso e dos métodos de Savimbi por parte dos mais fortes candidatos à sua sucessão gera apreensão em quem, como Bela Malaquias, conheceu o lado obscuro da organização. Contactada pelo EXPRESSO, diz-nos que, mais do que um partido político ou um bando de guerrilheiros, era «uma espécie de sociedade secreta, com as suas regras e rituais bizarros e monstruosos, uma organização autofágica, que aniquilava os seus membros». Bela compara a direcção da UNITA à «entourage» de Pol Pot ou de Hitler: «À sua maneira, cada ditador criou à sua volta sociedades muito sui generis», acrescentando que, «como Pol Pot, Savimbi achava que as vidas dos que o cercavam eram pertença sua». Isto explica que «nos sentíssemos mais ameaçados na sua presença do que com os ataques do MPLA».

«O PARTIDO ÉRAMOS TODOS»


José Pedro Kachiungo, de 39 anos, membro da direcção da UNITA, é de opinião que «todas as mortes devem ser explicadas». «O partido não era apenas o Dr. Savimbi, éramos todos nós», salienta, acrescentando, contudo, que não se encontrava na Jamba à data da execução de «Bock» ou da família Chingunji. Mas não desmente os assassinatos.

Como as irmãs Sapalalo, Kachiungo foi mandado para Portugal para prosseguir os estudos, embora tenha regressado a Angola por várias vezes a mando do líder. Nas eleições de 1992, foi ele o mandatário do Galo Negro em Benguela. Entende que ainda não existe distanciamento suficiente em relação a todos os desmandos do passado para se darem «as explicações que se exigem», mas aponta o dedo a «dirigentes que agora estão em Luanda: alguns deles participaram nas discussões e nas decisões». A seu ver, não há necessidade de uma «caça às bruxas. Emendar um mal com outro mal não é construtivo, o partido já está suficientemente dilacerado». Mas defende que se deve «regressar à História, identificar os erros cometidos e tirar daí as devidas lições. Não podemos construir um país de verdade em cima da mentira e da ocultação».

A instituição de uma cultura e de uma prática democrática no partido, a par da inviabilização da intriga como forma de fazer política, parecem ser os requisitos indispensáveis para um «volte-face» que devolva a credibilidade à UNITA. Mas há quem não acredite em milagres. «A actual classe de dirigentes está desgastada e, sobretudo, viciada. Se não se proceder a uma profunda renovação interna, a UNITA tem os dias contados», considera Alice Sapalalo. Ela perdeu toda a esperança no movimento que ajudou a construir. Bela Malaquias também. Para a antiga jornalista da Vorgan, «os ditadores não se transformam facilmente em democratas». Como sublinha, «as mascotes que o 'chefe' escolhia, podendo atenuar certas situações drásticas, não o fizeram. Para preservar o seu lugar na hierarquia ou obter mais uma estrela no ombro, optavam por atiçar o líder contra quem estava na mó de baixo». Bela não fala em nomes: quem quiser que enfie a carapuça. "

15:58 27 Junho 2003

This page is powered by Blogger. Isn't yours?